Quando Ele nos Encontra: Leia o livro AQUI

💜 Espaço dedicado à publicação da minha ficção cristã. 💜

Natália vivia tentando parecer perfeita, e foi assim que conseguiu um grande número de seguidores na internet e clientes dos seus lindos cadernos, que pareciam bolos enfeitados.

Porém ela não era feliz agindo dessa forma, pois muitas das suas atitudes eram apenas tentativas de agradar os outros. Até que ela encontrou uma velha Bíblia que ganhou de sua avó e esta veio a ser a porta de entrada para que Jesus a encontrasse e ela descobrisse que o que Ele diz sobre ela é mais importante do que o pensamento e julgamento dos outros.

Uma ficção cheia de momentos engraçados, mudanças familiares e a chegada de um garoto misterioso, que se viu apaixonado por ela e provou isso de uma forma bombástica.

Capítulo 1 - Algo esquecido

- Muito obrigada, bom dia para você! - Disse Natália, sorrindo, após ter recebido o comprovante dos envios nos Correios.

Ela sempre procurava ser simpática com todos e dizia que cumprimentá-los ajudava qualquer um a ter um dia melhor.

Mas na verdade, não era por isso que ela os cumprimentava gentilmente sempre sorrindo, e sim porque prometeu a si mesma que seria diferente de quando era mais nova.

Depois de ter voltado para casa, em que morava com seus pais, Carlos e Denise, e com sua irmã mais nova, Júlia, começou a fazer mais um dos novos cadernos personalizados que vendia na internet.

Seus pais sempre a deixaram fazer o que quisesse, porque era uma menina exemplar e talentosa, então não havia com o que se preocupar. Já sua irmã sempre arrumava alguma coisa para discordar, mas as duas eram muito amigas, então a convivência era frequentemente cheia de risadas.

Sua irmã sabia dos seus segredos e defeitos, mas sempre a ajudava, apesar de ser mais nova.
- Acho que esse caderno de folhinhas ficou muito bom, você não acha, Júlia? - Perguntou.

- É, ficou bem fofo, só que eu acho muito trabalhoso, como sempre te digo. - Respondeu Júlia, não podendo controlar a risada.

- Júlia, a alma do artesanato é essa mesma: ser uma coisa especial. Como ser mais especial do que um caderno que levei tantas horas para fazer?

- Sim, verdade. - Disse Júlia, ainda rindo.

 Natália tem uma marca de cadernos personalizados, chamada Caixa da Dorothy. Cada caderno leva horas para ficar pronto, pois se parecem com bolos enfeitados. Apesar disso, ela insiste em trabalhar neles, pois começou fazendo-os como hobby aos 17 anos, e eles eram tão lindos que suas colegas da escola queriam também. Agora, depois de três anos, ela está determinada a fazer esse negócio dar certo.

De fato, ela consegue vendê-los muito bem, pois faz questão de postar fotos e vídeos bem feitos, além da fala dócil que usa para compartilhá-los nas redes sociais. Seus seguidores a consideram o máximo da fofura.

- Nat, você já pensou em ir na igreja? - Perguntou Júlia.

- Ué, por que a pergunta tão de repente? - Respondeu surpresa, pois sua irmã nunca tinha demonstrado interesse por nenhuma religião.

- Ah, porque meus amigos da escola me convidaram para ir na igreja deles, aí eu te perguntei para saber se você quer ir comigo.

- Entendi, eu não quero ir, não... Não sei o que fazem tanto lá, mas não quero perder tempo indo descobrir! - Respondeu Natália balançando a cabeça.

A família delas nunca foi muito religiosa. Eles acreditam em Deus e em Jesus, mas raramente foram em alguma igreja. No máximo foram em algumas missas, cultos e casamentos. Se tentarem, dá para lembrar e contar nos dedos quantas vezes foram nesses lugares.

Natália também nunca teve interesse por religiões, porque desde adolescente sempre estava ocupada estudando ou lendo. Como sua família nunca teve esse costume, ela também não procurou nada sobre.

- Se você diz... Mas eu vou ir, não lembro qual foi a última vez que fui em uma igreja. Meus amigos vão, então se for chato, pelo menos nos encontramos mais vezes. - Júlia respondeu, rindo.

Júlia foi para seu quarto se preparar para dormir e Natália continuou fazendo seu trabalho, pois ainda precisava terminar os posts e cadernos para o dia seguinte. Ela faz quatro posts por dia nas redes sociais, o que a mantém bem ocupada para pensar em qualquer outra coisa que não seja trabalho.

Então, abrindo a gaveta para pegar o carregador do celular, viu algo já esquecido, uma Bíblia antiga que tinha ganhado de sua avó quando era criança.

- Oh, uma Bíblia! - Disse surpresa, bem baixinho, já que não queria que ninguém a ouvisse falando sozinha. - Parece que alguém vai precisar dela, querendo ir na igreja. - Falou ironicamente lembrando de sua irmã.

Fechou a gaveta. Pensou novamente e decidiu abri-la de novo, pegou a Bíblia e levou-a para a prateleira de livros.

- Bem, agora que terminei meu trabalho, vou colocar você aqui e vou me arrumar para ir dormir, amanhã te dou para a Júlia. - Disse ela para a Bíblia enquanto a colocava na prateleira.

Capítulo 2 - Confidente

A manhã de quarta-feira começou chovendo, infelizmente. Natália amava os dias de sol, mas nesse dia teve que deixar de fazer as fotos que queria em um ambiente fora de casa.

Há algum tempo, ela começou achar que sempre existe uma maneira de alegrar o dia. No caso dela, usar uma roupa que realmente gostasse. E ela ama a cor roxa e outros tons assim. Já que o dia estava nublado, escolher um tom de lilás parecia que cairia bem naquele dia tão cinzento.

- A Júlia já saiu? - Perguntou para a mãe.

- Sim, hoje ela acordou bem animada e já foi bem cedo para a aula - Respondeu Denise.

- Realmente, parece uma nova pessoa depois da conversa de ontem! - Respondeu, rindo - Ela te disse que vai ir na igreja com os amigos dela?

- Ah, é verdade! Ela disse, mas não me perguntou mais nada. Desde que ela passe a se comportar melhor, acho que é uma boa ideia. - Ela riu.

Natália continuou falando da irmã, mas sabendo que não devia reclamar dela para sua mãe, afinal, quem iria ficar sempre ao lado dela além da Júlia? 

Depois do café da manhã e de ajeitar a cozinha, ela foi fazer seus posts e viu que tinha alguns produtos que precisavam ser atualizados. Realmente, muito trabalho a esperava nas próximas horas.

- Ufa, cheguei! - Disse Júlia, enquanto passava pelo corredor. - Hoje teve aula de biologia, cheia de nomes estranhos, não aguento mais ler!

- Ah, é? Você quer me ajudar aqui com os cadernos? - Natália perguntou do seu quarto quando a ouviu falar. - Tenho que atualizar o modelo deles para novas fotos. Eu já mudei as técnicas usadas, agora estão ainda mais perfeitos! - Continuou, orgulhosa do trabalho que tinha feito. 

- Se eu disse que não aguento mais ler, muito menos ficar olhando para essas coisas miúdas! - Júlia respondeu asperamente, mas riu depois.

- Parece que o tempo nem passou depois que você saiu e já é hora do almoço!!! Realmente o tempo passa mais rápido depois que ficamos adultos. - Disse Natália.

- É, você deve estar ficando velha mesmo. - Respondeu Júlia desdenhando, tentando irritar a irmã.

Depois do almoço, voltando ao trabalho, tem mais cadernos para fazer e entre um post e outro do Instagram, viu um verso de Eclesiastes postado por alguém, que dizia: "Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu".

- Ah, verdade! Já é tarde e eu ainda não dei a Bíblia para a Júlia.

Ela foi até a cozinha, onde sua irmã estava, levando a Bíblia.

- Júlia, ontem eu achei essa Bíblia lá na gaveta que a vó me deu. Se você quiser, pode usar ela, já que só estava guardada!

- Hum, eu vou recusar! - Disse, depois de engolir o café. - Eu acabei de chegar, fui comprar uma hoje. Existem aplicativos para ler a Bíblia no celular, mas prefiro os livros físicos.

- Poxa, você é mesmo apressada, hein!? - Disse Natália, virando os olhos. - Nem esperou um dia... Mas está bom então, vou guardá-la.

Caminhou de volta até seu quarto e se sentou para continuar seus posts, mas aí se perguntou: "onde estava escrito aquilo mesmo?".

- Ah, é, aqui no post... Eclesiastes 3:1.

Natália pegou a Bíblia e foi procurar, com muito esforço, porque nunca tinha a lido antes. Até que pensou em ver o sumário para descobrir onde estava Eclesiastes. 

- Salmos, Provérbios, ah... Eclesiastes. Agora tenho que achar o capítulo.

Quando enfim achou o capítulo três de Eclesiastes, resolveu ler uma parte, que dizia:

"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz." 

Continuando a leitura:

"Que vantagem tem o trabalhador naquilo em que trabalha?"

- Uau, até disso se fala nesse livro? - Natália se perguntou.

"Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os afligir. Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração deles, sem que o homem possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim."

- Que coisa difícil de entender! - Exclamou. - Vou ter que ler de novo.

- "também pôs o mundo no coração deles, sem que o homem possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.", o que será que quer dizer pôs o mundo no coração deles??? Vou pesquisar.

Pesquisando, encontrou uma resposta, que dizia que nessa passagem, mundo é a tradução do hebraico 'olam, significando eternidade. Ou seja, o ser humano, no seu íntimo, busca pelas coisas eternas, então as coisas terrenas jamais satisfarão plenamente as pessoas.

- Ah, acho que entendi. Mas tem muita coisa ainda para ler, o capítulo quatro fala sobre o quê? Os males e tribulações da vida... parece interessante, vou ver as hor... Ah, já é tão tarde! Ainda não terminei meu trabalho!!! - Disse, enquanto jogava tudo para o lado para terminar os posts.

- Vou ter que separar um horário só para continuar lendo esse capítulo três. Mas isso vou deixar para outro dia.

- Vem jantar, Nat! - Sua mãe gritou.

Natália se levantou, foi até a cozinha e disse:

- Acho que vou ir comer enquanto termino meu trabalho, ainda tenho algumas coisas para fazer.

- Natália, você tem que parar um pouco de trabalhar. Eu sei que está começando agora, mas está indo bem, você precisa se planejar melhor para poder cuidar de você também. - Disse sua mãe.

- Eu sei, mãe. - Suspirou Natália. - Vai ser só até terminar de atualizar os modelos, depois vou planejar melhor para não ficar mais nessa situação.

- Então está bem, mas hoje você vai comer aqui conosco! - Disse seu pai.

- Ok... - Respondeu, não querendo deixar ninguém triste naquele dia.

Depois de jantar e arrumar as coisas, ela foi continuar seus cadernos, até que começou ficar com muito sono. 

- Sou obrigada a ir dormir. - Sussurrou. 

Na quinta-feira, já eram nove horas da manhã, ela ainda não tinha acordado. Sua mãe então foi chamá-la.

- Natália, você não vai levantar hoje? - Perguntou.

- Hã? Porque você entrou aqui tão cedo, mãe? - Perguntou sonolenta, enquanto olhava as horas.

Vendo que estava atrasada, se levantou rapidamente, já procurando roupas que poderia usar naquele dia.

- Não acredito que não acordei com o despertador! - Disse Natália, andando de um lado para o outro. - Hoje era o dia que eu tinha que encontrar a dona da loja onde ia vender meus cadernos. A reunião é às nove e meia!!!

- Uh, então vamos rápido, minha filha! - Sua mãe foi procurar algo que ela poderia precisar.

- Sim, acho que vou ir com esse vestido pretinho mesmo, não é muito a cara da marca, mas eu não preciso passar ele, pelo menos. - Disse, enquanto escolhia a maquiagem e sapato.

Vinte minutos depois, estava pronta para ir mostrar seus produtos para a dona da loja que tinha aberto no bairro. Era uma loja de acessórios muito bonita e cheia de coisas fofas.

- Olá, bom dia, tudo bem? - Disse Natália, chegando apenas 2 minutos antes das nove e meia. - Eu vim trazer os cadernos para você ver.

- Bom dia, tudo bem e você? - Disse a dona da loja. - Meu nome é Laila, prazer em te conhecer! Que bom que você já os trouxe aqui hoje.

Elas se sentaram na sala para reuniões. Então Natália pegou os cadernos, um a um e fez uma fileira para mostrá-los. Laila também tinha uma funcionária que era sua amiga, Fernanda. As duas realmente ficaram impressionadas com a Natália, porque ela estava muito arrumada para uma manhã comum.

- Ah, que fofos esses cadernos, você que faz? - Perguntou Fernanda. 

- Sim, sou eu, qual você mais gostou? 

- Hum, gostei desse de corações com pontinhos, parecem morangos, né?

- Muito bonitos mesmo, mas quanto que você quer vender esses cadernos aqui? - Maria perguntou, enquanto analisava-os.

- Eu vendo os cadernos mais simples no meu site por R$50,00 reais e os mais elaborados por... - Natália estava falando quando foi interrompida.

- Tudo isso? Você vende muitos cadernos? - Perguntou Laila.

- Sim, você quer ver o meu perfil do Instagram? Tem vários depoimentos lá. - Natália respondeu.

- Sim, eu estou vendo. - Disse enquanto pesquisava pelo nome da marca. -  Mas é muito caro para vender aqui na loja, você não acha? Por quanto você quer vendê-los para nós? 

- Eu pensei em vendê-los por R$40,00 reais, os mais simples, porque eu levo muito tempo para fazer até mesmo estes. 

- Oh... Eu sinto muito, mas para vendermos eles aqui, teria que ser mais barato, assim eles ficam quase as coisas mais caras da loja e não tem muito lucro para nós. - Laila disse.

- Sim, eu entendo, mas infelizmente eu não posso vendê-los por um preço menor. - Respondeu, pensando em uma solução.

- Então não fecharemos esse negócio por enquanto. Se pudermos vendê-los futuramente, nós entramos em contato. - Disse Laila, já se levantando.

- Tudo bem então. - Natália começou guardar os cadernos. - Nos vemos em breve, eu espero. - Continuou, sorrindo.

Laila e Fernanda a acompanharam até na porta da loja e se despediram. Natália estava voltando para casa um pouco triste, mas também feliz porque elas gostaram do seu trabalho. Foi quando se lembrou que tinha preparado uma lista dos materiais usados, que tornavam os cadernos de alta qualidade e não apenas "bonitinhos", o que compensaria o preço.

Resolveu voltar na loja. 

- Você também achou essa Natália sei lá, um pouco... falsa? - Perguntou Fernanda.

- Sim, achei tudo bem falso... o jeitinho, o visual todo arrumado, e ainda acha que vou colocar os produtos dela aqui! Tão caros, quem ela pensa que é? Uma celebridade? - Respondeu, desdenhando.

Natália acabou ouvindo essa conversa e não entrou. Deu a volta e acabou batendo de frente com um rapaz que estava passando, mas ela não levantou os olhos nem pediu desculpas, porque estava quase chorando. Só continuou andando até sua casa.

- Ah, Júlia, bem que você podia estar em casa hoje. - Disse, depois de entrar no quarto e fechar a porta. - Só você para me fazer ficar feliz. Eu tentei tanto mudar, ser simpática, estar sempre arrumada, e mesmo assim ouço que não sou boa o suficiente... E sim que sou falsa.

- Deve ser verdade mesmo. - Falou baixinho enquanto olhava para baixo, quando viu sua Bíblia.

- Ah, é... os males e tribulações da vida. - Começou folheá-la, até parar em Provérbios 17:22. - "O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos.". Faz sentido. 

Nesse dia, foi a primeira vez que a Bíblia serviu de consolo para ela, que tinha sua irmã como confidente até então.

Capítulo 3 - O começo de várias histórias

Mais um dia começando, e Natália decidiu não contar nada para sua irmã, só agir naturalmente até esquecer o que aconteceu.

– Bom dia, Nat!

- Bom dia, Júlia! - Natália respondeu, tentando sorrir.

- O que aconteceu?

- É tão fácil assim para você descobrir!?

- É sim!

- Ah, eu não ia dizer nada. É que ontem deu tudo errado lá na loja. As pessoas não foram com a minha cara.

- Eu te disse para ser mais como eu!!! - Júlia deu uma volta, sorrindo.

- Só você mesmo. - Natália respondeu, rindo. - Mas sabe que ontem eu resolvi ler aquela Bíblia? E ela me ajudou um pouquinho, eu acho.

- Sério? Eu também estou lendo a Bíblia. Vamos ler algum capítulo juntas depois?

- Pode ser. Tem algumas coisas que quero ler mesmo.

No final do dia, depois de muito trabalho da Natália com as decorações dos cadernos, a Júlia chegou na porta do quarto.

- Vamos fazer nossa leitura diária?

- Mas acabamos de dizer que íamos ler, como já virou uma leitura diária? - Natália perguntou.

- Ah, eu decidi.

Elas se sentaram uma do lado da outra na cama e Júlia abriu no capítulo 15 de Lucas, na parábola do filho pródigo.

- Vamos ler essa história aqui?

- Na verdade eu queria ler outra coisa, mas podemos ler essa história hoje.

- Ok, vamos lá! "Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao seu pai: ‘Pai, quero a minha parte da herança’. Assim, ele repartiu sua propriedade entre eles. “Não muito tempo depois, o filho mais novo reuniu tudo o que tinha e foi para uma região distante; e lá desperdiçou os seus bens vivendo irresponsavelmente. Depois de ter gasto tudo, houve uma grande fome em toda aquela região, e ele começou a passar necessidade."

Júlia parou de ler e disse:

- Está vendo? Não saia gastando tudo por aí!

- Até parece que eu faria isso, né? - Natália respondeu, rindo e tentando bater nela. - Além disso, ele é o filho mais novo... você que tem cara de quem agiria assim.

- Continuando... "Por isso foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu campo a fim de cuidar de porcos. Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. “Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome! Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados’. A seguir, levantou-se e foi para seu pai. “Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou. “O filho lhe disse: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Não sou mais digno de ser chamado teu filho’."

- Que coragem! - Disse Natália. - Ou não... eu acho que ele não tinha opção, mas a culpa foi dele mesmo. Igual todas as escolhas, né? Dá vergonha, mas voltar para a casa onde sabemos que alguém nos ama é a melhor opção.

- Tá, vamos continuar... "“Mas o pai disse aos seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e alegrar-nos. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’. E começaram a festejar o seu regresso. “Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando se aproximou da casa, ouviu a música e a dança. Então chamou um dos servos e perguntou-lhe o que estava acontecendo. Este lhe respondeu: ‘Seu irmão voltou, e seu pai matou o novilho gordo, porque o recebeu de volta são e salvo’. “O filho mais velho encheu-se de ira e não quis entrar. Então seu pai saiu e insistiu com ele. Mas ele respondeu ao seu pai: ‘Olha! todos esses anos tenho trabalhado como um escravo ao teu serviço e nunca desobedeci às tuas ordens. Mas tu nunca me deste nem um cabrito para eu festejar com os meus amigos. Mas quando volta para casa esse teu filho, que esbanjou os teus bens com as prostitutas, matas o novilho gordo para ele!’ “Disse o pai: ‘Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que tenho é seu. Mas nós tínhamos que celebrar a volta deste seu irmão e alegrar-nos, porque ele estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi achado’ ”."

Quando Júlia terminou de ler, olhou para Natália e viu que ela estava chorando.

- Por que você está chorando?

- Ai, porque será? Nem eu sei. Acho que estou feliz e triste ao mesmo tempo. Feliz porque ele decidiu voltar, sendo que o pai dele provavelmente queria muito isso. Mas triste pelo irmão, parece que ele não gostava muito dele.

- Na verdade eu acho que o irmão dele é como as pessoas que fazem tudo certo perante a sociedade, mas não querem que ninguém esteja bem ou melhor que eles.

Natália olhou para a irmã surpresa:

- Filosofou agora, Júlia! - Disse batendo palmas.

- Não... Mas é sério!!! E o filho pródigo é como as pessoas que desperdiçam a vida e tudo o que ganha com coisas como festas, drogas e consumismo exagerado, invés de estar perto de Deus, que é o pai, e fazendo coisas boas.

- Uau, quem diria que a minha irmã era tão esperta assim?

- Sim, eu te disse para se espelhar em mim!

- Tá bom, Júlia, agora vai dormir, que amanhã tenho mais coisas para fazer.

- Ai, tá bom, chata! Agora que a conversa estava ficando boa. Vamos ter que fazer isso diariamente.

- Tá, tá, tchau. - Disse Natália empurrando a irmã para fora e fechando a porta.

Capítulo 4 - Mentiras e verdades

Já passou algum tempo que Natália e Júlia decidiram ler a Bíblia todos os dias. Mesmo não tendo nenhuma referência na família, as duas estavam empenhadas nisso.

- Vamos à mais uma leitura hoje, Nat?

- Hoje não posso, estou realmente ocupada!

- O que você tem tanto para fazer?

- Muitas coisas... muitas mesmo... - Natália parou de falar, surpresa por sua irmã se interessar no que ela estava fazendo - Por quê? Você quer trabalhar comigo?

- Pode ser, o que você quer que eu faça?

- Não acredito! - Disse Natália, rindo. - Você está mesmo querendo me ajudar? Vai, vai embora, não quero sua ajuda. Do jeito que é desastrada, vai estragar o que estou fazendo.

- Tá bom. - Respondeu, rindo - Mas eu vou fazer minha leitura diária, hein! Depois lê aí também!

No dia seguinte, Natália foi se arrumar para fazer os envios das suas encomendas. Mas quando se olhou no espelho, ficou se perguntando se precisava mesmo se arrumar tanto.

- Acho que fui influenciada pelos comentários daquelas pessoas da loja. Não! Preciso me recompor! - Suspirou.

Terminando de se arrumar, foi para o ponto de ônibus, porque o local para fazer os envios tinha se mudado para mais longe da casa dela.

Depois de entrar no ônibus, viu que tinha uma igreja lá perto que nunca tinha notado. Se perguntou se era ali que sua irmã estava indo.

Chegando no destino, enquanto esperava sua vez de fazer os envios, decidiu olhar as redes sociais. "A igreja só me fez me sentir errada." - leu em um comentário - "A culpa que a igreja me fez sentir é terrível!" - dizia outro.

Natália percebeu que nunca tinha pensado nisso. "Será que é assim mesmo?" - se perguntou. - "A Júlia já foi na igreja algumas vezes e não parece estar se sentindo culpada... Além da generosidade, não vejo nada mais de estranho nela." - Riu.

Quando chegou de volta em casa, sua irmã já estava lá.

- Nat, quer ir na igreja comigo hoje?

- Hoje?

- Sim, hoje!!!

Natália respirou fundo e disse:

- Ok, vamos ir, quero ver como é!

- Então se arruma para ir às dezenove horas! - Júlia disse bem alto, enquanto saía da sala.

Natália começou se arrumar perto do horário de ir. "Pareço estar bem assim." - pensou. Ela estava um pouco nervosa depois de ler tantas coisas ruins sobre a igreja, mas como já tinha dito para sua irmã que iria, então não podia voltar atrás.

Chegando na igreja, ela viu uma mulher muito sorridente cumprimentando as pessoas. Natália pensou o que essa mulher diria dela.

- Essa é minha irmã. - Júlia disse à mulher.

- Ah, bem vinda! Que linda que você é! Não se importa que eu diga isso, né?

- Não me importo, obrigada! - Respondeu Natália.

- Então está bem, você parece uma princesa! - Disse a mulher, sorrindo.

Natália pensou que aquela mulher realmente parecia radiante e não sentiu nem um pouco de falsidade no modo que ela falou.

- Legal ela, né? - Júlia perguntou.

- Sim. - Natália respondeu, pensativa.

Naquele dia, aconteceu do assunto a ser pregado ser sobre as mentiras que as pessoas acreditam sobre si mesmas.

- Não sou bom o suficiente, não sou inteligente, sou inútil! - Dizia o pregador. - São algumas mentiras que vêm até nos para nos convencer de que somos assim. Mas Jesus disse que podemos ser livres Nele. E essa liberdade é também do domínio do medo, preocupação, dúvida, solidão, dor, culpa e frustração, entre outras coisas.

Nós temos tudo para combater isso: a Palavra de Deus! Que ilumina nossos caminhos, nos corrige, ensina e dá encorajamento. A Bíblia está cheia de lembretes, dizendo o contrário dessas mentiras.

Nós somos filhos de Deus, como diz em João 1:12 e 1 João 3:1:

"Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus" 

"Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato somos! Por isso o mundo não nos conhece, porque não o conheceu." 

Podemos ser alegres, mesmo na dificuldade, porque Cristo já veio, como está em Lucas 2:10:

"Mas o anjo lhes disse: “Não tenham medo. Estou trazendo boas-novas de grande alegria para vocês, que são para todo o povo"

Somos amados e podemos amar as outras pessoas! Assim disse Jesus em João 15:12:

"O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os amei."

Além dessas verdades, a Palavra de Deus está cheia de outros lembretes sobre o que nós realmente somos. A alegria da salvação e a razão de viver em Cristo não dão espaço em nossos pensamentos para as mentiras que são lançadas até nós.

Nessa noite, Natália descobriu quais realmente eram as verdades sobre ela.

Capítulo 5 - Alguém vai gostar se for você

Fazia algum tempo que Natália e Júlia frequentemente iam à Igreja. Natália estava se sentindo um pouco sobrecarregada com tanta coisa para fazer.

- Você está bem? - Perguntou Júlia para sua irmã, vendo que ela estava triste.

- Acho que sim. - Respondeu Natália.

- Qual o motivo de fazer isso? Você nem gosta disso, Natália!

- Como assim? Eu tenho que fazer isso. - Respondeu pensando que sua irmã estava falando sobre o trabalho dela.

- Não, você não tem que fazer isso. - Disse apontando para a sua irmã. - Você sabe que não gosta e não precisa se esforçar para parecer o que não é. Vale a pena deixar de dormir para se arrumar, para decorar as unhas quase todo dia? Ninguém te pediu para fazer isso, você nem sabe se é isso que seus seguidores querem!

Natália desviou o olhar para baixo, porque sabia que se preocupava muito com coisas que nem gostava.

- Nós precisamos mesmo nos arrumar, mas porque gostamos, e não porque nos preocupamos com o que os outros pensam. Principalmente porque você nem sabe se é isso que eles querem. Já faz tempo que vejo você enganando a si mesma com essa ideia de parecer perfeita. Você só tem que ser você mesma e fazer o que gosta, Natália!

- Mas meu trabalho depende também da minha aparência, Júlia, você sabe disso.

- Você lembra das pessoas da loja que te acharam falsa? Provavelmente muitas pessoas também acham isso, porque você não está fazendo nada do que gosta além do seu trabalho. Eu que sou mais nova, sei disso e você ainda está tentando se explicar.

- Mas o que eu gosto de fazer, Júlia? Além das roupas, que eu realmente gosto de me vestir assim, eu não gosto de mais nada! Se eu pudesse me arrumar assim só as vezes seria ótimo, mas não posso, todo dia eu preciso estar nas redes, preciso estar bonita.

- Não se trata de beleza, as pessoas gostariam de você se soubessem um pouco como é de verdade. Parecer capaz é ótimo, mas todas as pessoas tem defeitos.

Depois que Júlia saiu do quarto, Natália começou pensar seriamente se seria melhor mudar o modo como estava agindo. "Será que tem algo que eu gosto de fazer?" - pensou.

- Já sei, eu gostava muito de ler na adolescência... livros de histórias, de fantasia. Acho que vou procurar algo assim. A Bíblia vai me ajudar a voltar a ler também. - Disse Natália baixinho.

Natália foi procurar algum livro onde estavam outros, mas infelizmente não encontrou nenhum com histórias.

- É mesmo, eu doei todos. Aqui só tem livros de como ser uma pessoa melhor... como se eu tivesse me tornado uma... parece que não entendi bem esses livros. - Disso com um sorriso, mas estava um pouco nervosa.

- Amanhã quando for levar as encomendas, vou procurar uma livraria para comprar livros novos.

No outro dia, Natália saiu já no início da manhã para levar as encomendas e ir na livraria procurar alguns livros.

Enquanto esperava o ônibus, notou que tinha um rapaz que sempre estava lá indo para o mesma direção. Ela estava olhando para ele quando ele olhou para ela também. Ela desviou o olhar para as coisas que carregava. "Não inventa isso agora, Natália! Você não pode gostar de outro que vê pela primeira vez!" - pensou.

Depois de entrar no ônibus, olhou para suas mãos e se lembrou que não tinha decorado as unhas como era seu costume quase todos os dias. Resolveu tirar uma foto e postar nas redes, dizendo que estava experimentando um estilo novo.

Quando ela acabou de tirar a foto, viu que o rapaz se sentou ao lado dela no ônibus. Ela terminou o post e seguiu viagem procurando não olhar para o lado, apenas para a janela.

Quando chegaram no destino, ela viu que tinham outros bancos vazios. "Por que ele se sentou do meu lado?" - pensou. Então foi caminhando até a agência de envios, enquanto refletia se estava só pensando demais ou o rapaz realmente pode ter se sentado lá por causa dela.

Antes de voltar para casa, ela se lembrou de ir na livraria procurar novos livros. Chegando lá, ela foi escolhendo e vendo as capas. Ela ficou tão encantada com os livros, que não via mais ninguém a sua volta, até que olhando uma prateleira de livros, viu que tinha algúem lá: a mesma pessoa do ônibus.

Então ela virou rápido com os livros que tinha escolhido e foi para o caixa pagar por eles. Depois de sair da livraria, ela estava pensando como era possível tê-lo encontrado tantas vezes em uma manhã. "Mas afinal, por que ele estava na livraria também?" - ela pensava.

Depois de chegar em casa, separou seus novos livros na mesa para ler mais tarde e aproveitou para tirar fotos para dizer que ia voltar fazer algo que amava: ler.

Capítulo 6 - Ela não estava sozinha

- Júlia, você precisa ler esses livros! - Natália disse depois de ter terminado de lê-los em menos de uma semana.

- Que livros são esses? - Júlia respondeu enquanto olhava para a capa. - Ah, eu já vi eles na internet. Muitas pessoas estão falando deles, já que deve ter uns dois anos. Agora que você conheceu?

- Sério? Eu nunca tinha visto, mas as histórias são incríveis... - Disse com os olhos brilhando. - São cheios de coisas que nos fazem pensar sobre Jesus, fé, vida...

- Sim, eu nunca li porque eu não gosto muito de ler, mas se me emprestar, vou tentar. - Júlia disse rindo.

- Com certeza te empresto, mas você sabe quem escreve esses livros?

- Não sei... o nome existe, mas é um nome artístico, então ninguém sabe quem é, pelo que vi.

- Entendo. É bom ninguém saber quem você é às vezes. Eu que nem sou tão conhecida às vezes quero que ninguém saiba. - Natália riu enquanto suspirava.

Depois de ter essa conversa com sua irmã, Natália resolveu entrar nas suas redes sociais. "Acho que vou mudar minha biografia, para mostrar o que acredito", pensou.

Após ter colocado sua fé na descrição sobre ela, voltou a fazer seu trabalho. O tempo passou muito rápido, como sempre.

- Natália, vem ver isso! - Disse o pai dela. - Venha ver algo inédito: sua irmã está lendo ali na sala. - Continuou, rindo.

- Pois é, algo inédito mesmo! Mas as histórias desses livros são tão incríveis, que até você e a mamãe deveriam ler.

- Será? Bom, deve ser mesmo, se conseguiu conquistar até sua irmã para ler, deve conseguir conquistar qualquer um no mundo!

Ela voltou para seu quarto, e quando entrou novamente em suas redes sociais, teve uma surpresa:

"Natália, eu sempre amei seu trabalho e hoje tive uma boa notícia. Deus ouviu minhas orações por você!"

"Mais uma oração respondida. Você conhecendo Jesus é mais um sonho realizado."

Depois de ler essas e muitas outras mensagens, ela entendeu que seu amor por Jesus é resposta das orações de muitas pessoas.

Capítulo 7 - O ônibus e a livraria

Depois de alguns dias, Natália continuou encontrando o rapaz da livraria no ponto de ônibus, e até mesmo nos Correios. Porém nesse dia, novamente ele se sentou ao lado dela no ônibus.

Então ele abriu a mochila que carregava e ela viu que ele também estava lendo um livro dos que ela tinha acabado de ler e amado.

- "Será que ele também gosta das histórias desse escritor?" - pensou - "Parece que sim, então ele também deve ser cristão".

Depois de voltar para casa, sua irmã estava tomando café na cozinha sentada na mesa. Natália resolveu ir conversar com ela.

- Júlia, quando alguém senta do seu lado no ônibus, mesmo tendo outros lugares livres, será que essa pessoa gosta um pouco de você?

- Quê? Tem algum menino te perseguindo por aí? Me fala quem é que eu já dou um jeito nele! - Júlia respondeu dando socos no ar.

- Fala baixo! A mãe vai escutar e já vai achar que estou me casando...

- Mas Natália, se ele se sentar do seu lado de novo, com certeza não tem boas intenções, você precisa se proteger!

- Acho que você está exagerando, ele não parece nenhum doido.

- Esses são os piores, você nunca assistiu isso em nenhum filme?

- Não...

- Ah, eu não sei porque te faço esse tipo de pergunta, você nunca assiste nada mesmo. - Júlia disse enquanto balançava a cabeça.

No outro dia, Natália foi para o ponto de ônibus, procurando ver se o rapaz estava lá, mas nesse dia ele não apareceu.

Depois que chegou em casa, Júlia correu perguntar se ele tinha se sentado de novo com ela.

- Não, hoje ele não apareceu no ponto de ônibus e nem nos outros lugares.

- Tinham outros lugares em que ele aparecia também? - Júlia perguntou surpresa.

- Sim... é... na livraria, nos Correios... ainda não o vi em mais nenh...

- Deve ter sido preso então!!! - Júlia a interrompeu.

- Até parece... ele deve estar trabalhando. Sabe o que eu vi na mochila dele naquele último dia no ônibus? O livro do E.Z. Então ele não pode ser um doido.

- Você tem razão... mas de qualquer forma, se ele falar com você, não expresse tão facilmente sua paixonite, porque você demonstra tudo que pensa... - Júlia saiu rindo.

- Não é para tanto, né? Eu consigo me controlar.

Capítulo 8 - Ideias impossíveis de ignorar

Dois dias depois, Natália novamente foi ao ponto de ônibus, agora depois de ter pensando seriamente sobre o que sua irmã disse sobre não demonstrar sua paixonite.

Assim que chegou no local, viu que quem ela estava procurando vinha. Começou ficar um pouco nervosa por causa das falas da Júlia, pensando se tinha mesmo se apaixonado por ele.

Quando ele chegou no ponto de ônibus, tinham muitas pessoas lá, mas Natália nem notou. Quando o rapaz chegou perto dela por não ter muitos lugares para ele ficar, Natália estava tão ansiosa que falou com ele sem pensar:

- Eu tenho namorado! - Disse Natália olhando para ele rapidamente.

- Sim... eu acredito que pode ter. - Ele respondeu, sorrindo.

Natália olhou para ele novamente enquando ele respondia, e assimilou o sorriso dele com o da mulher que a cumprimentou na primeira vez que ela foi na igreja.

- "O sorriso dele parece tão sincero como o da Maria." - Pensou.

Logo o ônibus chegou, e ela nunca se sentiu tão aliviada por poder sair de uma situação. Quem dera se fosse assim tão fácil! Na realidade o rapaz continuou a conversa.

- E como você se chama? - Ele perguntou.

- Natália. - Respondeu enquanto olhava para longe enquanto os outros passageiros entravam no ônibus.

- Eu me chamo Joseph.

Natália acenou com a cabeça. Depois de entrarem no ônibus, ela continuou pensando no porquê disse à ele que tinha namorado. Que ideia maluca!

Ela normalmente sabia como mascarar muito bem seus pensamentos, porém sua irmã estava certa. Além de ter mesmo se apaixonado, também não conseguia ignorar a existência de alguém, que agora sabia o nome.

- O que você faz, que sempre está cheia de pacotes? - Ele perguntou, interrompendo os pensamentos dela.

- Eu faço... cadernos.

- Cadernos? Que interessante!

- E você, o que faz que sempre está em vários lugares? - Depois de perguntar, ela pensou que agora tinha deixado claro que reparava que ele estava nos lugares. "Que vergonha!" - Pensou.

- Como estou sempre em vários lugares, eu também faço várias coisas... hum... hoje estou indo enviar pocotes também, da livraria.

- É mesmo! Você trabalha lá? - Natália perguntou com animosidade, esquecendo que queria evitar a conversa.

- Sim, gosto muito de lá. Sempre quis trabalhar com livros.

Logo o ônibus chegou no destino de ambos e então desceram. Natália decidiu não falar mais, porque percebeu que estava muito feliz por ter encontrado alguém que também gostava de livros, além de que se continuasse a conversa, ia acabar desmentindo que tinha namorado.

Chegando no local de postagens, ele abriu a porta para ela, que agradeceu com um aceno. Enquanto esperava, embora ela não queria conversar, todos os seus pensamentos eram se aquele rapaz era alguém que Deus aprovaria para ser seu namorado. 

Sabia que era cedo demais, porém era óbvio que gostava dele. "Será amor a primeira vista?" - pensou. - "De qualquer forma, preciso saber se ele é alguém que também ama a Deus."

Capítulo 9: O dia da verdade

Depois de saírem da agência de envios, Natália quis evitar conversa e por isso decidiu ir embora o mais rápido possível. 

- Eu tenho algumas coisas para fazer... então vamos nos despedir por aqui.

- Tudo bem, nos vemos outra hora então! - Joseph tinha notado que ela não queria mais conversa.

Ele ficou acenando com as mãos e sorrindo, da mesma forma que antes.

Natália foi até uma papelaria que tinha perto dali, para disfarçar que tinha mesmo que ir para casa, mas queria evitar ir conversando pelo caminho (apesar de não saber se ele iria para o ponto de ônibus novamente).

Quando chegou em casa, se deparou com sua irmã.

- Ué, você está em casa hoje?

- Sim, hoje não tem aula. Vou aproveitar para aprender essa receita de bolo. - Júlia respondeu, mostrando a receita.

- Bolo? - Natália perguntou, duvidando do que tinha ouvido.

- Sim, vai ter um evento na Igreja e quero levar alguma coisa.

- Eu espero realmente que você acerte essa receita... bem, de qualquer forma, vou orar antes de comer mesmo.

- Ha-ha-ha. 

Natália foi em direção ao seu quarto para continuar seu trabalho, quando Júlia a chamou de volta.

- Ah, mais tarde tenho que levar na Igreja algumas folhas que imprimi para divulgar o evento. 

- Ok... 

- E você quer ir comigo? Passear um pouco? - Perguntou, sorrindo.

- Eu saio de casa quase todo dia, mas não com você, então posso ir... vai ser bom.

Mais tarde elas saíram para levar as impressões. No caminho, Natália decidiu contar como foi sua manhã.

- Lembra do menino do ônibus?

- Ah, é mesmo! Ele falou com você? - Júlia se virou para ela, a assustando.

- Na verdade... eu que falei com ele primeiro.

- Não acredito! E o que você disse?

- Ele tinha vindo ao meu lado no ponto de ônibus, fiquei nervosa e disse que tinha namorado.

- Hahahaha, eu não sei se consigo parar de rir hoje. - Júlia respondeu, gargalhando.

Natália continuou andando, enquanto abraçava a pasta com as folhas impressas.

- Deixa eu me recompor. - Júlia disse, se abanando. - Mas você sabe que não deveria ter mentido, né?

- É, eu sei... mas não foi porque gosto de mentir ou porque quis... só aconteceu.

- Agora você precisa contar a verdade...

- Verdade? Se eu não quero nem falar  com ele, com a vergonha que estou, imagina contar a verdade!? E não era você que chamava ele de criminoso há uns dias?

- É que depois de você ter dito uma coisa assim, eu não posso mais ficar contra ele. - Júlia respondeu, rindo.

- Mas é isso mesmo... - Natália disse, olhando para baixo. - Talvez daqui alguns dias, quando a vergonha já tiver passado, eu conto a verdade.

Chegando na Igreja, elas ainda estavam conversando, quando viram que na entrada tinha alguém em uma escada consertando as lâmpadas. Natália parou, desacreditada que já seria a próxima vez que os dois se falariam.

Júlia olhou para a irmã, vendo que estava olhando para o rapaz, e sussurrou: 

- Você conhece?

- É o Joseph. - Respondeu, sussurrando também.

- E quem é esse?

- O rapaz do ônibus.

Quando terminou de responder, ele as viu. As duas pararam de falar, fazendo de conta que não estavam conversando.

- Você de novo? - Ele perguntou, rindo.

Júlia olhou para a sala ao lado e viu que seus amigos já estavam lá para fazer os preparativos para o evento. Então só saiu de fininho e deixou sua irmã na entrada.

- Pois é... - Respondeu Natália.

- Eu tenho mais algumas lâmpadas para trocar, você quer me ajudar?

- Tudo bem.

Natália ficou alcançando as coisas para ele enquanto pensava em como contaria que tinha mentido. E além disso, agora realmente não podia fugir da verdade, já que ele poderia descobrir uma hora ou outra.

"Que tipo de cristã ele vai achar que eu sou? Mentindo?" - Pensava.

Depois que ele terminou e ia organizar o local, Natália decidiu começar falar.

- Eu tenho que te pedir desculpas... eu menti para você dizendo que tinha namorado. Eu estava ansiosa por causa de algumas coisas e...

- Tudo bem. - Ele a interrompeu. - Eu acredito em você. E também... eu já tinha te visto há muito tempo nas fotos da página da Igreja porque minha mãe vem aqui. Sei que não foi por mal. 

Natália continuou olhando para baixo, enquanto tentava sorrir, ainda com vergonha por ter mentido sobre algo tão irrelevante. Até que ele continou:

- Talvez você goste de mim, para ter ficado tão preocupada. - Ele disse olhando para ela. - Estou brincando.

Natália tinha ficado surpresa, mas só riu, sem saber o que dizer. "Sou tão óbvia mesmo como a Júlia disse?" - Pensou.

Capítulo 10: A coragem e o gatinho

Passados alguns dias, chegou o evento que teria na Igreja. Natália e Júlia resolveram convidar também seus pais para irem naquele dia.

Elas precisavam chegar um pouco antes para arrumar as coisas que levaram para comer. Então, depois de chegarem, deixaram seus pais acomodados enquanto foram arrumar. Após isso, Maria encontrou com eles enquanto as duas saíam.

- Bem vindos! - Os cumprimentou. 

Eles acenaram e agradeceram. Depois que ela se virou, foi falar com as duas irmãs.

- São seus pais?

- Sim, trouxemos eles hoje aqui. - Júlia respondeu.

- Ah, que bom! É ótimo ter a família toda na Igreja, né? Eu, agora que meu filho voltou para cá. Ele estava trabalhando em outra cidade e morou longe por um tempo.

- E quem é o seu filho? - Júlia perguntou, intrigada.

Maria olhou para os lados procurando por ele, até que o achou e apontou para o rapaz que estava de camiseta verde.

Após verem quem era, Júlia e Natália imediatamente se olharam de forma que só elas poderiam entender o que estava acontecendo.

- Por que vocês estão olhando assim? - Maria perguntou, rindo de canto.

- Nada, é que ele já é amigo da minha irmã. - Júlia respondeu olhando para a Natália.

- E como isso é possível? Ele não faz amizades tão facilmente, sempre foi tão quietinho.

- Ah, Maria! É que a Nat que começou falar com ele... coitado, deve ter ficado sem saída. - Respondeu balançando a cabeça e com olhar de pena.

As três começaram rir e interiormente Natália entendeu o porquê de achar o sorriso dele tão familiar.

- Vamos parar de conversa e arrumar esse lugar? - Um dos amigos delas interrompeu a conversa em tom irônico.

Após alguns minutos, o culto daquele dia estava prestes a começar. Natália e Júlia foram para o lado dos seus pais.

O assunto da pregação foi sobre como Cristo nos mostrou que Deus (que frequentemente é imaginado como um ser intocável em muitas religiões) é acessível, atencioso e que se preocupa com as dificuldades dos seus filhos. Não só isso, mas que também trabalha pelo bem destes.

No final do culto, todos foram para a confraternização que tinham trabalhado tanto para preparar. Era um evento com muitas comidas gostosas, como o bolo da Júlia (será?) e também muitos brindes, que até contavam com alguns cadernos da Natália.

Enquanto todos estavam lá, ela viu algo se mexer perto das plantas que rodeavam a Igreja. Resolveu deixar o que estava comendo e seguir aquele ser misterioso.

Depois de ter dado quase uma volta inteira ao redor do lugar, conseguiu ver. Era um gatinho!

- Ah, que fofo! Será que você se perdeu? - Perguntou para o gato.

Quando olhou em volta, viu que estava bem perto do Joseph e alguns meninos. Ela levou o gatinho até ele, como se fosse entregá-lo, pensando que ele também iria achar o animal fofo. Invés disso, ele a olhou com desgosto ou medo. Foi difícil para Natália decifrar.

Os amigos deles começaram a rir, até que um deles, Lucas, resolveu falar:

- Ele tem medo de gatos. - Disse cobrindo a boca enquanto mastigava.

- Como alguém tem medo de gatos? - Natália perguntou arregalando os olhos.

- Eu não tenho medo! - Joseph disse enquanto cerrava os olhos em direção aos meninos.

- Então pega ele, ué! - Outro menino disse.

Joseph se virou para Natália enquanto olhava para o gato e quando levantava as mãos, travou, sem saber o que fazer.

- Não acredito que você tem mesmo medo de gatos!!! - Natália disse, rindo.

Joseph fechou os olhos e sorriu, então disse:

- Está bem, vocês venceram...

Ele respirou fundo e se virou para pegar o prato em que estava sua comida.

- Outro dia ele te explica a história. - Lucas disse. - Qual o seu nome?

- Natália. 

- Sinto que seremos amigos, já que agora você sabe de algo que este grande corajoso tem medo.

Ela acenou rindo, então perguntou:

- E você, qual o seu nome?

- É Lucas. - Respondeu fechando os olhos e rindo.

- Vamos ser amigos então. - Ela disse estendendo uma das mãos.

Depois de ter feito esse acordo de amizade, ela sorriu para o Joseph para se despedir. 

- Tchau. - Ele disse, acenando.

Depois de se virar, Natália continuou rindo baixinho, não acreditando que ele realmente tinha medo de gatos.

Capítulo 11: Quando Ele encontra alguém que você ama

Alguns dias depois, Joseph viu Natália caminhando na rua e correu até ela, diminuindo os passos enquanto chegava mais perto.

- Oi. - Ele disse, sorrindo.

- Oi, tudo bem?

- Tudo, e você?

Os dois continuaram caminhando alguns metros, até que ambos falaram ao mesmo tempo.

- Ss...

- E...

- Sabe aquele dia do evento? - Joseph continuou. - Não é que eu tenha medo de gatos...

- Ah, sem problema! - Natália respondeu, rindo. - Todas as pessoas têm seus medos.

- Eu já disse que não tenho medo. - Respondeu cerrando os olhos e rindo logo depois. - Já que aconteceu, vou te contar... Quando eu era criança eu gostava muito de gatos e não tinha muitos amigos, então meus pais me deram um gatinho, o Pinguim. Só que ele ficou muito doente e não foi possível salvá-lo, então... - Ele parou de falar.

- Então você ficou tão triste que não consegue mais chegar perto de gatos?

Joseph acenou que sim com a cabeça. Natália sorriu de canto e continuou andando.

- Está na hora de superar isso! - Ela disse enquanto se virava para ele. - E eu já sei como te ajudar, você pode tentar pegar o Fofinho de novo!

- Fofinho!? Você colocou o nome do gato de Fofinho? - Perguntou, rindo.

Quando ela abriu a boca para explicar o motivo do nome, ela sentiu que tinha algo em suas costas.

- Tem alguma coisa em mim. - Natália disse com os olhos arregalados. - Tira, tira... - Continuou, franzindo a testa.

- Ah, é um lagarto pequenininho. - Joseph disse enquanto o pegava. - Olha, ele também é fofinho!

Natália começou andar mais rápido para se distanciar deles, e Joseph também aumentou o passo enquanto ria da situação.

- Ele deve ter saído das plantas que tinham naquele muro ali atrás. - Ele disse.

- Eu não sei de onde ele saiu, mas não quero ver ele de novo! Argh! - Natália gritou de uns três metros à frente.

Eles logo chegaram na esquina onde virava para a Igreja. 

- Ah, e onde você mora, que veio desde lá atrás comigo? - Ela perguntou, com uma sobrancelha erguida e olhos semiabertos.

- Eu moro um pouco antes da sua casa. - Respondeu, rindo e largando o pequeno lagarto no chão perto das árvores.

Depois que acabou o culto, voltaram conversando sobre o que foi pregado. Quando ela chegou em casa, seu pai perguntou por quê ela não os convidou para ir na Igreja também.

- Ela é assim mesmo, pai! - Júlia disse enquanto mordia o sanduíche que estava comendo. - Ingrata, é isso que ela é! No dia que a irmã dela tem trabalho de escola até de noite, ela decide sair e nem convida ninguém.

Natália se virou para o pai, sem responder as provocações da irmã.

- Pai, você deveria ter dito que queria ir na Igreja também. Eu saí e nem pensei em convidar vocês, me desculpa.

- Tudo bem, Nat. Na próxima vez, vamos todos! - Ele respondeu.

Por dentro, Natália estava explodindo de felicidade, porque seus pais tinham sido alcançados pelo amor de Jesus também. "Ter os levado naquele culto foi realmente uma boa idéia!" - Pensava.

- Vocês viram as notícias? - Denise, mãe delas, interrompeu, enquanto olhava o celular. - Já está chovendo há alguns dias e estão dizendo que vai chover muito mais. Chuva concentrada e volumosa, diz aqui.

- E já choveu desse jeito antes? - Júlia perguntou.

- Já, há mais de oito anos, chegou a alagar todas as ruas de baixo aqui no bairro.

- Eu não lembro mesmo, era criança. - Respondeu enquanto balançava a cabeça.

- É verdade, eu também era adolescente, não me lembro muito bem. - Natália disse enquanto preparava seu sanduíche.

Naquela noite, nem eles e nem o resto das pessoas da cidade dormiram bem. Todos estavam abalados com a quantidade de água que caía do céu.

Capítulo 12: Em tudo dai graças, até nas tempestades

Quando amanheceu, muitas ruas estavam cheias de água, porém ainda era possível ir e vir com segurança. 

- O pastor disse aqui no grupo que pessoas em situação de risco podem ir se abrigar na Igreja! - Júlia veio do quarto falando enquanto lia as mensagens no celular. 

- Que bom, assim pelo menos só temos riscos de danos materiais! - Denise disse com expressão preocupada enquanto balançava a cabeça.

A chuva, que parecia ter ficado mais fraca naquela manhã, depois de algumas horas ficou mais forte. E mais pessoas estavam buscando abrigo para si, seus animais e pertences.

Já era perto das dezesseis horas, quando o pastor decidiu fazer uma convocação à todos.

- Escutem! Um áudio do pastor! - Júlia falou bem alto enquanto dava play para ouvir.

- Paz do Senhor, irmãos! Espero que todos estejam bem. Vocês deve estar cientes da situação da nossa localidade. Sei também que muitos estão orando para que essa chuva passe logo e que os danos não sejam muito grandes. Mas quero convocar todos vocês para orarem junto conosco à partir de agora. Nós aqui na Igreja e vocês em suas casas. Sei que tudo tem um propósito e devemos ser gratos, até mesmo pela tempestade. Conto com as orações dos irmãos para que logo estejamos bem, despreocupados e com as famílias tranquilas.

Enquanto Natália e sua família estavam em casa. A família de Joseph estava ajudando na Igreja. Maria, sua mãe, Walter, seu pai e sua irmã mais nova, Helena. 

A chuva tinha ficado um pouco mais leve, então Joseph decidiu sair com a caminhote do Lucas, que era bem alta, por isso pensou não ter muitos riscos de entrar água. Ele queria ver se não tinha alguém precisando de ajuda.

Depois de ter andado algumas quadras, avistou algo em cima de uma mureta. Era um gatinho que estava na chuva. E como era um lugar baixo, tinha água por todos os lados.

Joseph tremeu um pouco quando o viu.

- Deus, me dê coragem! - Disse em uma oração e desceu do carro, tendo o estacionado na parte mais alta da rua.

Foi correndo em direção ao animal, enquanto ainda chovia. Pegou-o, voltou para o carro e logo o secou com sua jaqueta.

- A Natália vai ficar feliz quando descobrir que fiz isso, rapazinho! - Nem ele estava acreditando que havia pego o gato.

Então pensou que não podia deixar ele com frio, pois estava há tempos na chuva, por isso pegou-o no colo, e esse logo começou a ronronar.

- Eu não lembrava que os gatos faziam esse barulhinho... - Disse, rindo.

Passados alguns minutos, Joseph resolveu voltar, mas quando foi dar a partida no carro, ele não funcionou.

- Ai, ai... Será que a água afetou o carro?

Depois de algumas tentativas, desistiu e foi procurar seu celular, quando viu que não tinha o levado com ele.

- Está chovendo ainda e estamos longe de casa. Parece que não temos outra opção além de ficar aqui, gatinho!

Duas horas depois, Joseph ainda não tinha voltado e seus pais já estavam preocupados. Decidiram perguntar no grupo do WhatsApp se alguém tinha visto ele. Agora além de orarem para a chuva passar, oravam também para que nada tivesse acontecido ao rapaz.

Naquela noite, parecia que a chuva não teria fim, mas perto das vinte horas, ela parou e logo as primeiras estrelas começaram aparecer no céu.

Cada vez mais pessoas na internet contando a feliz notícia de que não tinha acontecido mais que poucos danos materiais, apesar das previsões. 

Apesar disso tudo, Joseph continuava desaparecido. Até que ele finalmente consegiu dar partida no carro. Mas só depois de ter se tornado um grande amigo do gatinho.

Já eram quase vinte e três horas e todos estavam preocupados com ele. Natália decidiu ir no portão de sua casa e olhar para os lados, quando o avistou descendo do carro. Saiu andando rápido em direção a ele e parou alguns metros antes.

- Onde você estava? Sabe o quanto eu me segurei para não chorar por não ter notícias suas? - Disse virando o rosto enquanto chorava.

Joseph não estava entendendo o que acontecia.

- Calma... o que houve? - Ele perguntou.

- Como assim o que houve? Desde as dezoito horas estamos te procurando e esperando você voltar.

- Ah... - Disse enquanto levava a mão na cabeça e ria. - Eu posso explicar tudo, só um segundo.

Ele abriu a porta da caminhonete de novo e pegou o gatinho que tinha resgatado.

- Eu saí para ver se alguém precisava de ajuda... Achei esse aqui que estava precisando e aí quando fui voltar, o carro não funcionou e tive que ficar lá até ele pegar, porque estava chovendo e eu sem ce...

Antes que ele terminasse de falar, Natália foi em direção à ele e o abraçou, com o gatinho entre eles.

- Fique com medo de ter acontecido algo ruim com você. - Ela disse. - Graças à Deus você está bem.

Joseph ficou sem reação, pois não imaginava que ele significava tanto para ela.

Capítulo 13: Como fazer (ou não) uma declaração de amor

- O que você está lendo? - Júlia perguntou, após ver sua irmã concentrada com a Bíblia nas mãos.

- Quê? - Respondeu, como se tivesse sido pega de supresa. - Ah, estou lendo Neemias.

- Hum, eu ainda não li esse livro.

- Eu também nunca tinha me interessando por ele, mas comecei ler e não consegui parar até agora... e que horas são?

- São seis horas da tarde. - Júlia olhou para o relógio na parede da cozinha.

- Ufa! Ainda tem bastante tempo para descansar hoje!

- Você não vai trabalhar mais?

Natália apontou o dedo indicador para a irmã.

- Não, eu já termineu todo o meu trabalho do dia até as cinco horas. Tenho me organizado melhor para poder descansar e fazer outras coisas importantes.

- Ah, e isso inclui... - Júlia chegou mais perto. - Namorar? - Sussurou.

Natália largou a Bíblia para tentar tapar a boca da Júlia, que começou rir.

- Eu vi você abraçando ele ali na frente semana passada. - Falou rápido.

Voltando para a posição que estava, Natália soltou os ombros.

- Pois é... tenho o evitado desde então, porque ele deve achar que gosto dele agora... mas e se ele não gosta de mim também?

- Ele gosta! Consigo ver com o meu olhar de raio-x.- Júlia cerrou os olhos enquanto apontava para frente.

- De qualquer forma, eu não estava falando desse tipo de coisa. Se trata de tempo para estudar, ir na Igreja, estar com vocês...

- Mas namorar também é importante quando é alguém que significa muito para você! E vocês ficam tão fofos juntos, eu apoio! - Júlia disse enquanto fazia sinal de positivo.

- Já faz quanto tempo que nos conhecemos? Você lembra?

- Acho que tem uns cinco meses, se contar desde a época em que achávamos que ele era algum doido.

- É mesmo... Já tinha me esquecido dessa época! - Natália começou rir.

- Porque você não faz algo para se declarar?

Enquanto isso, Joseph estava ajudado o Lucas em um serviço.

- Você tem falado com aquela garota? - Lucas perguntou depois de alguns minutos.

- A Natália? - Ele riu. - Não tenho visto ela desde o dia em que saí com o seu carro e ele me deixou na estrada por quase sete horas no meio da chuva... Snif, snif... coitada, estava chorando pensando que eu tinha ido embora com a chuva.

- Hahaha! Mas eu não tenho culpa de você ter esquecido seu celular também! Poderia ter pedido ajuda ou avisado. Mas enfim... se ela estava tão preocupada, deve gostar de você. Não é melhor contar que também gosta dela?

- Eu já planejei um jeito de dizer isso de uma forma bombástica! - Respondeu, rindo.

- Mas você tem que contar tudo, né? 

- Sim, eu gosto muito dela, merece saber tudo sobre mim. - Joseph disse, sorrindo.

Alguns dias depois, Natália terminou o que pensou ser a melhor declaração possível e foi mostrar para a Júlia.

- Tcharam! Olha como ficou! 

- Que fofo! Fez um caderno com folhinhas!

- Sim! Ele gosta de natureza, animais... acho que vai gostar disso.

- E é só isso? - Perguntou, com tom de deboche.

- Não, né? Olha dentro.

- Hum, palavras cruzadas.

- Não, muitas palavras cruzadas! Com charadas até ele descobrir o texto que escrevi no final.

- Natália... sua sorte é que ele é alguém que gosta de palavras e com certeza gosta de você... porque eu não teria paciência.

- Mas ele vai ter! - Natália disse, tirando o caderno das mãos da Júlia. - Tenho certeza que ele vai gostar! - Continuou, sorrindo.

- Acho que sim, hahaha! Mas, se você está o evitando, como pretende falar com ele para entregar isso?

- É mesmo... Ah, você viu no site da livraria que vai ter um livro novo do E.Z.?

- Sim! E você pode chamar ele para perguntar se sabe de alguma coisa sobre o livro, só para ter um motivo para o encontrar!

- É isso mesmo! Vou mandar uma mensagem...

Poucos minutos depois, Joseph recebeu a mensagem da Natália. Nesse dia, ele também estava trabalhando com o Lucas.

- Ei, ela finalmente me respondeu com mais palavras do que somente "olá"! - Disse, antes de abrir a mensagem. - E ela quer saber se eu sei algo sobre o novo livro do E.Z..- Continuou, rindo.

- Então ela também é fã desse cara!? - Lucas perguntou, sem demonstrar surpresa.

Capítulo 14: Esquecendo um presente precioso

- Ele respondeu! - Natália disse, enquanto se virava para a irmã. - E disse que vai me contar, mas só se o encontrar pessoalmente...

- Mas é isso mesmo que queremos! - Júlia interrompeu.

- Então vou dizer para nos encontrarmos naquela padaria aqui perto.

O dia seguinte era sábado e Natália estava muito nervosa e também animada por pensar qual seria a reação do Joseph quando desvendasse os mistérios.

Quando ela chegou na padaria, ele já estava a esperando.

- Cheguei!

- Oi! - Ele respondeu, sorrindo.

Começaram conversar sobre assuntos aleatórios até que ele perguntou o que tinha na sacola que ela levou.

- É... um presente para você. - Disse, olhando para o lado.

Joseph sorriu.

- Eu também tenho um presente para você. - Ele respondeu.

Depois de dizer isso, se abaixou e tirou o livro novo do E.Z. da mochila e deu à ela.

- Não acredito! Você disse que iria falar sobre, mas você trouxe... obrigada!

- De nada... agora... me dá o meu presente.

- Eu vou te entregar, mas não é para abrir agora, está bem? Vamos terminar de comer e depois ir embora para vermos os presentes. - Disse, animada.

Eles continuaram lá por um tempo e Natália ainda não acreditava que ganhou o livro do Joseph. Estava também pensativa se ele iria conseguir resolver as charadas.

"Agora não posso mais voltar atrás nas coisas que escrevi." - pensava.

Depois de ter deixado Natália em casa, Joseph se certificou de olhar para trás e ver se já estava fora da vista dela. Então abriu rapidamente a embalagem do presente.

- Oh, que legal! Eu já tinha me esquecido que ela fazia coisas tão bonitas... - Disse, olhando para a capa decorada com muitas folhas, livros e um gato.

Ele continuou andando até em casa enquanto começava ler o que pedia no caderno.

- Desvende as charadas e complete as palavras cruzadas no final para descobrir um segredo importante... Ok. - Continuou, rindo.

Assim que chegou em casa, viu sua irmã e tentou esconder o caderno, dizendo que depois compraria um para ela, pois sabia que se visse esse, não o deixaria em paz com perguntas.

Depois de ter fugido dela, entrou em seu quarto, fechou a porta e se sentou na cadeira em que trabalhava para então começar as descobertas.

Quando Natália chegou em casa, resolveu tirar uma foto para postar nas suas redes sociais quando o livro fosse lançado. Porém antes disso, viu que tinha um trabalho urgente para fazer.

- Não acredito que vou ter que te abandonar por enquanto, livrinho... vou te deixar guardado aqui. - Disse, enquanto o colocava na estante junto com os outros livros. 

Já no outro dia, demorou a acordar por ter ficado até tarde trabalhando.

"A Júlia não pode saber que fiquei trabalhando além do horário... se ela descobrir, vai ficar me incomodando pelo que eu falei esses dias." - Pensou, rindo.

Ela saiu do quarto olhando para os lados procurando a irmã, quando foi abraçada por trás pela mesma.

- Ha-ha! Te peguei! O que você estava fazendo ontem, que eu te chamei e você disse que estava ocupada?

- Tive que trabalhar um pouquinho e depois fui dormir. - Respondeu, desviando o olhar.

- Ah, sei... e o que aconteceu no encontro? Eu queria saber disso ontem... Ele te falou sobre o livro?

- O livro!!! Me esqueci dele! - Natália se apressou em ir buscar o presente precioso que não percebeu ter esquecido.

Capítulo 15: Pai e Filho

- E o que tem ele? - Júlia perguntou, intrigada.

- O Joseph me deu de presente ontem. - Respondeu, já estando longe.

- E você conseguiu esquecer!? Logo desse livro que promete ser uma história romântica? Vai combinar bem com você! - Olhou para baixo e a encarou, quase rindo. - Me deixa ver!

Natália cerrou os olhos e se virou para pegar o livro, então mostrou a capa de longe e o colocou em sua cabeceira, enquanto olhava para o relógio ao lado.

- Já são quase nove horas!? - Descobriu que estava atrasada para a Escola Bíblica Dominical.

- Estamos saindo! - Disse sua mãe, abrindo a porta.

- Podem ir na frente! - Natália gritou do quarto, enquanto olhava brava para a Júlia. - Daqui a pouco eu vou!

Após sua irmã sair para ir junto com seus pais, Natália se apressou a se arrumar.

- Só espero que ele não tenha se atrasado também a ponto de me encontrar e descobrir que nem comecei a leitura... - Suspirou.

Nesse dia, Joseph também acordou tarde, mas somente quando a Escola Bíblica já havia terminado, então nem chegou a ir.

Só que ao contrário da Natália, não acordou tarde porque estava trabalhando e sim porque ficou acordado procurando as respostas do caderno.

Quando saiu do quarto em direção à cozinha, encontrou com a Helena.

- Que bonito, hein!? Faltando na Escola Bíblica!

- Minha querida irmã... - Disse, ironicamente. - Só aconteceu... e por que você não me acordou?

- Eu e papai cansamos de te chamar, mas parecia que você tinha morrido!

- Ha-ha! Então foi assim...

Enquanto conversavam, seu pai se aproximou e acenou para o Joseph o encontrar lá fora. Ele foi e sentou ao seu lado em um banquinho que tinha em frente de casa.

- Como você está? - Seu pai perguntou primeiro.

- Estou bem... e o senhor?

- Estou bem também... Sabe? Faz um tempo já que não conversamos, né?

Joseph acenou olhando para os lados.

- Filho, eu sei que falhamos no passado, sempre o cobrando para se expressar, mas o que eu quero dizer agora é que tanto eu, quanto sua mãe e até a Helena, temos muito orgulho de você. - Parou de falar por um momento. - E eu nunca quis ficar longe e realmente quero que nos aproximemos mais. Talvez você precise deixar de ser tão independente... converse mais conosco, com seus amigos...

Joseph acenou concordando.

- E eu fiquei sabendo que você fez uma nova amiga na Igreja. Nós te apoiamos em qualquer decisão que você tomar. Só... não fique mais tão distante, está bem?

- Certo, pai. - Respondeu, sorrindo. - Eu realmente venho tentando melhorar isso. - Respirou fundo. 

- Então... vamos lá tomar café e conversar mais um pouco... conte um pouco dessa moça. - Disse, rindo. - Estou brincando! 

Os dois riram e seguiram caminhando de volta até a cozinha.

Capítulo 16: Sobre o que era o livro?

Passados quase dois dias da troca de presentes e eles ainda não haviam se falado. Natália apenas olhava para a capa do livro e checava suas mensagens para ver se o Joseph tinha entrado em contato.

- Parece que ele não vai falar comigo mesmo... será que já descobriu que gosto dele e decidiu apenas não falar para não ter que me rejeitar? - Se perguntou, enquanto jogava um lápis de um lado para o outro em cima da mesa.

Nesse momento, chega uma notificação. 

"Oi, você leu o livro?" - Dizia a mensagem, com alguns emojis.

Natália suspirou.

- Parece que ele não descobriu nada ainda...

Então ela tomou coragem de abrir no primeiro capítulo.

- Vamos ler então... - Suspirou novamente. - Esta vai ser a primeira vez que escrevo sobre a garota que amo. Tudo começou quando a vi chorando em frente a uma loja, enquanto fugia de pessoas más.

- Tive a sorte de esbarrar nela neste dia e de a encontrar em quase todos os outros. - Continuou.

Parou a leitura para imaginar como seriam essas primeiras cenas. Então continuou.

- No momento em que a vi, senti que ela seria alguém que mudaria meu modo de ver o mundo. - "Ah, que fofo!" Pensou, sorrindo.

- Até o dia em que ela me notou, enquanto eu estava sentado no ponto de ônibus. E após muitos dias em que tentei falar com ela e não tive coragem, ela mesma se dirigiu a mim, dizendo que tinha namorado.

Parou a leitura novamente.

- Espera... eu conheço essa história! Estou lendo o livro certo? - Ela olhou para a capa. - Sim!? Não acredito nisso...

Natália continuou lendo e percebendo características sobre ela mesma e os acontecimentos dos últimos meses.

- Então o escritor era ele o tempo todo??? - Natália parou para pensar um pouco. - Ai, e pensar que eu falava tão bem do autor como se fosse minha inspiração! - Ela colocou a cabeça entre as mãos por um tempo.

Então pegou o celular enquanto suspirava pensando no que iria dizer.

- Espera... se ele diz no livro que é sobre a garota que ele ama e fala de acontecimentos comigo... então quer dizer que ele gosta de mim também!?

Ela começou rir, então se levantou e saiu andando de um lado para o outro pensando em como responderia a mensagem.

- Ah, vou contar primeiro para a Júlia!

Foi até o quarto da irmã, onde ela estava estudando.

- Jú... tenho uma coisa para te dizer. - Então contou para ela todas as novidades, quase sussurrando.

- Não acredito!!! Alguém assim escrevia tão bem?

- O que você quer dizer com "alguém assim"?

- Nada... - Respondeu, rindo. - Só estava brincando.

Natália fechou a mão como se fosse bater nela.

- Mas agora, como eu o respondo? - Perguntou.

Júlia estava pensativa enquanto olhava para baixo.

- Ora, ora... alguém tão quietinho tinha um talento, afinal... - Júlia disse.

- Claro que sim! E acho que ele deve ter mudado muito já, pelo que as pessoas falam, lembra? Mas isso não importa...

- É mesmo, ele mudou já, e você também mudou! - Parou de falar um pouco. - Eu mudei, nossos pais... já parou para pensar no quanto mudamos desde que conhecemos Jesus?

- Verdade... Se alguém dissesse que um dia eu iria me importar mais com o que Deus pensa de mim do que os outros... eu não acreditaria, pois era tanto sofrimento. Achava impossível ou que demoraria muito tempo para isso acontecer.

- E que eu iria ser mais obediente? Ha-ha! - Júlia riu.

- E que nossos pais discutiriam menos? Jesus é maravilhoso mesmo! Transforma a vida de cada pessoa que Ele encontra.

- Sim... e o Joseph mudou, mas você também deve ter o influenciado nisso. Afinal, ele já conhecia e escrevia sobre Jesus, então deve ter sido por sua causa que ele esteve mais disposto a enfrentar seus medos.

As duas pararam de falar. 

- Lembra que ele até superou o trauma dos gatos? - Júlia perguntou.

Elas começaram rir, concordando sobre o tanto de coisas que passaram juntos.

Capítulo 17: O encontro

Após pensar muito, Natália decidiu responder a mensagem dele com "Sim, li" e um emoji de carinha com corações.

- Não sei se era essa a resposta que ele queria, mas estou indo tentar falar com ele pessoalmente. - Disse, já estando pronta para sair.

Conforme chegava mais perto, ela ficava cada vez mais nervosa, tanto que tropeçou algumas vezes pelo caminho.

"Nunca tropecei na rua, tinha que ser hoje?" - pensou. - "Capaz do carro do Google passar e tirar uma foto." - Ela riu depois de pensar isso.

Quando chegou em frente a livraria, viu ele pelo vidro e parou.

Depois de alguns segundos, decidiu entrar, quando Joseph a viu e sorriu (o que para ela pareceu como quando se falaram pela primeira vez).

- E aí? O que achou do livro? - Ele perguntou.

Natália sorriu e se lembrou de quantas vezes elogiou o autor na frente dele. Então parou de sorrir e olhou para os lados.

- Ele é legal. - Respondeu.

- Só legal? - Joseph franziu a testa.

Então ele saiu de trás do balcão, foi em direção a um sofá que havia no meio da livraria e se virou para ela.

- Eu decifrei o que dizia no caderno.

Se sentou e pegou na mão da Natália para que ela se sentasse também. E continuou falando.

- Obrigado. - Disse, sorrindo. - Eu sei que você amava esse escritor... Sinto muito por ter ouvido todos os elogios para ele sem que você soubesse que na verdade era eu.

- Agora você se desculpa? - Perguntou, fingindo estar brava.

- Eu estava com um pouco de medo da sua reação... mas agora não estou mais. Na verdade, estou grato por me amar como escritor... e também como pessoa.

- Sobre isso... eu gosto mesmo de você! - Ela disse, sem pensar muito, enquanto fechava os olhos para não ter que olhá-lo. - E também estava com medo da sua reação. - Começou a rir. - Eu pensava: "Será que ele também gosta de mim?".

Os dois pararam de falar por alguns segundos. Até que ele se virou para ela de novo.

- Você quer ser minha namorada?

Os dois riram, e Natália acenou com a cabeça, dizendo que aceitava.

- Já está na hora de fechar a loja. Vamos? - Ele perguntou.

- Ah, ok. - Respondeu, se levantando.

Joseph fechou a porta e pegou a mão dela para irem caminhando enquanto conversavam.

- Sabe? Eu gosto de você desde que te vi no ponto de ônibus. - Ela disse, rindo. - Já você... gosta de mim desde que me viu na loja de artesanato!?

- Quem disse isso? - Ele perguntou, tentando disfarçar olhando para longe.

- Eu li em um livro.

Fim

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas